segunda-feira, 16 de agosto de 2010

A Luta Continua....



Em visita a Florianópolis para descerramento da pedra fundamental da obra da Unidade de Pronto Atendimento (Upa) Continente, o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, recebeu de representantes do Coren/SC e da ABEn-SC o documento elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) sobre o impacto do Projeto de Lei 2.295/2000, que estabelece a carga horária de 30 horas para os profissionais de Enfermagem.
O encontro ocorreu na manhã do dia (12), antes da cerimônia de lançamento da obra da Upa. “Uma das maiores resistências pela aprovação do projeto das 30 horas vem do Ministério da Saúde. Por isso, aproveitamos a oportunidade para entregar ao Ministro o estudo do DIEESE, além de argumentos técnico políticos que justificam a jornada de 30 horas para a enfermagem. Nestes documentos apresentamos ao Ministro que o impacto financeiro poderá ser absorvido pelos serviços e que, e a redução da carga horária dos profissionais de Enfermagem, refletirá positivamente na assistência de enfermagem do país inteiro, e trará benefícios para a população assistida pelas instituições de saúde”, avalia a Enf. Msc. Felipa Rafaela Amadigi, secretária do Coren/SC.
Baseado nos dados do Ministério do Trabalho e Emprego de 2008, o estudo do DIEESE demonstra que o impacto na geração de empregos com a implantação das 30 horas seria de 176 mil novos postos de trabalho, representando um aumento de 1,89% do total de empregos no setor da saúde e de 26% no número de ocupações para profissionais de enfermagem. Segundo o documento das entidades, em termos de rendimentos dos empregados no setor de saúde de todo país, a implantação da jornada de 30 horas poderá gerar um incremento de R$ 232 milhões/mês.
Fonte: COFEN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Campanha

Campanha