sexta-feira, 11 de maio de 2018

Florence Nightingale, uma enfermeira à frente do seu tempo

Ficamos muito felizes com o Dr. Alfredo Guarisch, que escreveu um artigo sobre a enfermeira Florence Nightingale, publicado no jornal O Globo, no dia 8 de maio. Foi uma bela homenagem aos enfermeiros, e um reconhecimento ao trabalho que fazem diariamente. Essa é uma feliz demonstração de como as profissões, de todas as áreas, podem e devem caminhar juntas.
POR ALFREDO GUARISCHI
Natural de Florença, Florence iniciou os estudos como enfermeira no Egito. Trabalhou posteriormente na Alemanha e na França, retornando a Londres para chefiar o Instituto de Cuidados de Senhoras Carentes e Doentes
Florence Nightingale (1820-1910) nasceu em Florença. Sua família tinha casas no campo e em Londres e tudo mais que o dinheiro podia comprar, porém o que mais desejava era ajudar os necessitados. Aos 20 anos de idade, implorava aos seus pais poderosos que abdicassem do desejo de ter uma menina prendada, esperando um casamento pomposo, e a deixassem com seu entusiasmo pela matemática e pela estatística.
Não lhe faltaram pretendentes, mas queria ser enfermeira, numa época em que essa profissão não era tida como adequada para uma moça educada e muito menos de família rica como a dela. Seria terrível deixar uma filha ser enfermeira. Aos 29 anos, viajou pela Europa para ver o trabalho da enfermagem em diferentes hospitais, iniciando seus estudos como enfermeira no Egito. Trabalhou posteriormente na Alemanha e na França, retornando a Londres para chefiar o Instituto de Cuidados de Senhoras Carentes e Doentes.

Em reconhecimento ao seu trabalho, o Ministério da Defesa solicitou que ela criasse o primeiro grupo de enfermeiras para atender os feridos na Guerra da Criméia, na qual Inglaterra, França e Turquia se uniram contra a Rússia. Ela desafiou os generais médicos ingleses demonstrando que os soldados feridos tinham dez vezes mais chances de morrer de uma doença hospitalar, como cólera, tifo e falta de higiene, do que no campo de batalha. Melhorando as condições sanitárias dos hospitais militares, sistematizando a lavagem das mãos e das enfermarias, a mortalidade caiu de 60% para 42%.
Fonte_COFEN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Campanha

Campanha