quarta-feira, 11 de abril de 2012

Reunião no auditório Nereu Ramos sobre as 30hs

Paralisação......
 
A deputada Rosane Ferreira (PV-PR), que é enfermeira, defendeu há pouco a possibilidade de se promover uma paralisação da categoria. “Não posso pedir para meu povo parar, porque se isso ocorrer, quem vai estar no parto, atrás da seringa na vacina, na preparação do corpo depois de uma cirurgia, mas confesso que não estou vendo outra saída”, afirmou.

A parlamentar participa de audiência pública realizada pela Comissão de Legislação Participativa para discutir a jornada de trabalho dos profissionais da enfermagem. O PL 2295, que reduz de 40 para 30 horas a jornada semanal desses trabalhadores, está pronto para votação desde 2009.

Rosane Ferreira acrescentou que já ocorreram “quatro ou cinco” audiências públicas, além de mobilizações e sessão solene no Plenário. Diante disso, ela cogita que se chegue “a um basta”, com a paralisação.

Ela afirmou há pouco que, “se os profissionais de enfermagem forem esperar para ter uma bancada da profissão, terão que esperar cerca de 200 anos, porque hoje são apenas dois parlamentares da área”, disse.

As afirmações foram ditas em resposta a declaração anterior do presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Anthony Garotinho (PR-RJ). Para ele, a proposta só será posta em votação se houver um grupo de parlamentares realmente interessados na aprovação do projeto.

Acordos.....

O presidente da Comissão de Legislação Participativa, deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), sugeriu há pouco que os profissionais de enfermagem elaborem um documento para ser assinado por todos os líderes e levado ao presidente da Câmara, Marco Maia. Este texto deverá pedir a inclusão do Projeto de Lei 2295/00 na pauta de votações. “No meu primeiro ano nesta Casa, aprendi que nada é aprovado se não for de interesse do colégio de líderes”, explicou.

O PL 2295, que reduz de 40 para 30 horas a jornada de trabalho semanal dos profissionais da enfermagem, está pronto para votação desde 2009. Garotinho acrescentou que, sem uma bancada compromissada com a proposta, o projeto não será votado.

Governo
Para a deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), ao contrário do que sustenta Garotinho, a entrada do PL 2295 na pauta não depende apenas do colégio de líderes, mas de um acordo com o governo. “Se o projeto for levado ao plenário, não temos nenhuma dúvida de que será aprovado”, assegurou.

Também presente, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) acrescentou ser necessária também uma reunião com o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). “Acho importante esse encontro, inclusive para mostrar ao líder a carta da presidente da República, Dilma Rousseff, em que assume o compromisso com as 30 horas”, defendeu.
 
Os parlamentares participam de audiência pública realizada pela Comissão de Legislação Participativa para discutir a jornada de trabalho dos profissionais da enfermagem.

Fonte_COFEN

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Campanha

Campanha