Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de março de 2018

Cordel do Trabalhador ganha versão em braile e áudiolivro

“Sobre acessibilidade, o que sei e sinto do meu lado é acesso velado, é acesso negado.” Neste cordel de nome Acesso Negado, a poetisa Onã Silva chama atenção para a falta de incentivos e medidas públicas que promovam maior acesso para pessoas com deficiência. Com uma rima arretada e a missão de promover a acessibilidade, a artista goiana ficou conhecida como a Poetisa do Cuidar. Agora, ela chega apresentando suas letrinhas rimadas em áudio para promover a acessibilidade cultural para as pessoas com deficiências do Distrito Federal e de outros estados.

Com mais de 20 obras publicadas, Onã que também é especialista em Saúde Pública, mestre e doutora em Educação, apresenta uma obra leve, democrática, contendo rimas em cordéis que abordam os direitos trabalhistas. Sem pegadinhas. O livro Cordel do Trabalhador: do Labor Até o Burnô, lançado em 2017, foi lançado neste mês de março nas versões em audiobook e braille.
Cordel do Trabalhador: do Labor Até o Burnô” é uma obra publicada com apoio da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, com recursos oriundos do FAC – Fundo de Apoio à Cultura.
Para o assédio acabar tem que denunciar
“É tão sério este problema e causa é muita confusão. Quem pensa que é mimimi, na verdade é depressão que atinge o assediado, geralmente pelo patrão”. O cordel Para o Assédio Acabar, O Remédio é Denunciar é um dos 20 que compõem o audiolivro da artista. Os demais discorrem, em 120 páginas, sobre aposentadoria, salários, carga horária excessiva, saúde ocupacional, adoecimentos, direito à greve, dentre outros. Todos foram inspirados em leis trabalhistas de difícil interpretação e que, agora, viraram versos leves com a criatividade de Onã. Leves, mas não menos sérios. A intenção da autora é mostrar e alertar os trabalhadores com deficiência sobre seus direitos.
“Quero esclarecer ao leitor trabalhador com deficiência os problemas graves que os acometem diariamente no ambiente de trabalho. Não à toa, o termo “burnô” (grafia usada para fins de cordel) vem da Síndrome de Burnout, doença originária do estresse crônico no trabalho”, explica Onã.
Para falar de acessibilidade, a autora reforça: “Vou passar por centros de ensino, escolas, instituições. Por locais que acolham pessoas com deficiências. Estou aqui para acolher também e para transbordar cultura”.
E é com essa atitude que ela alerta este público para os seus direitos cidadãos. Direitos que devem ser iguais para todos. Dentre os locais que a autora visitará para doar sua obra em audiolivro estão a Academia Inclusiva dos Autores Brasilienses (AIAB) / Biblioteca Braille Dorina Nowill, Associação Brasiliense de Deficientes Visuais (ABDV) e a Associação de Amigos do Deficiente Visual (AADV). Alguma associação ou instituição que desejar o áudio livro podesolicitar à autora, encaminhando e-mail com pedido para cordeldotrabalhador@gmail.com.
Fonte_COFEN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Campanha

Campanha